Terça-feira, 27 de Dezembro de 2005

Lobos...Sonhos...Realidades... (já brasil)

WolfMoon1.jpg
sonho.bmp CAA9E7IH.jpg




Na cabana da montanha a lareira crepitava e espalhava-se no ar o cheiro da alfazema queimada!

As paredes e o tecto eram feitas de troncos e todo o mobiliário era de madeira rústica!

Tapetes de lã trabalhados em tear e a cobrir os velhos sofás estavam mantas de patchworks coloridas.

Havia 2 cadeiras de baloiço forradas com almofadas de lã coloridas e junto á lareira 2 enormes cestos continham troncos de lenha e outro com pinhas e galhos de urze, alecrim e alfazema.

Uma mesa com tampo corrido feito madeira tosca com os “nós” em bruto e até alguns buracos, de cada lado estavam 2 bancos de madeira corridos. Suspenso sobre a mesa um candeeiro de ferro com um peso em forma de “pinha” dava a luz necessária.

Num canto um velho aparador com loiça de barro, malgas e os indispensáveis copos de vidro grosso e tosco.

Havia também velhos candeeiros de petróleo e castiçais com velas espalhados por toda a casa.

A cozinha era pequena, um fogão a lenha uma bancada de mármore com lava-loiças também de mármore, uma mesa de trabalho ao centro e mais uma lareira pequena. E também a “coisa” mais moderna da casa um cilindro para aquecer a água para os banhos!

No andar de cima 2 quartos todos mobilados em madeira rústica, com cortinas de pano e colchas de lã, em cada um uma pequena lareira e uma janela/varanda que circundava quase toda a casa.

A vista, a vista eram as árvores, os montes, a neve e ao fundo um rio gelado, de quando em vez um veado e ao longe o uivo de um lobo!

A pequena casa de banho tinha uma banheira de pés! Isso, daquelas com 4 patinhas em forma de garras, todas em esmalte, que se forram com tecido para não se morrer de frio!
Acende-se uma salamandra horas antes e muitas velinhas....

Ela tomou o seu banho com calma, tinha todo o tempo do mundo!

Tinha o fim de um Ano e o começo de um outro só para si!

Acariciou-se, deixou que os seus dedos explorassem aquele corpo que tão bem conhecia, mas que cada vez que tocava descobria algo de novo nem que fosse uma sensação...

Lá fora os lobos uivavam, os machos chamavam as fêmeas, sedentos de sexo de luxúria...

Levada pelos uivos saltou da banheira e enrolou-se no roupão bem felpudo, colocou a toalha em volta dos cabelos e desceu para a sala. Serviu-se de um brandy e sentou-se confortavelmente no sofá!

Os olhos “presos” no fogo e a mente vagueava, solta.

Na sua mente ela era loba, loba Alfa esperando pelo macho Alfa corria solta pela neve, sem frio, sem receio, selvagem, apenas eles os Alfa!

Ela sabia que o macho Alfa é que escolhe a fêmea dentro de todas as da alcateia, mas quando se nasce marcada para fêmea Alfa eles bem que podem escolher pois já foram escolhidos e nem sabem.....

E enquanto o seu pensamento andava longe, a correr juntamente com os lobos sentiu bater na porta, primeiro com cuidado e depois com força.

Levantou-se e foi abrir...

Na entrada estava prostrado um enorme lobo todo negro, parecia ferido, cansado!

Ela teve receio mas algo lhe disse que ele não lhe faria mal e com cuidado pegou nele e deitou-o em frente ao lume, com uma toalha secou-o e tratou-lhe da ferida na pata.

Depois foi buscar carne que tinha para jantar e ajoelhou-se junto dele, com cuidado foi dando-lhe de comer, e ele aceitou com muito cuidado, apanhando os pedaços sem sequer lhe tocar nos dedos!

Quando terminou deitou a cabeça no colo dela e adormeceu!

Cansada ela acabou por adormecer também, enroscados, um no outro ficaram em frente da lareira!

Nessa noite ela teve sonhos, sonhos que não ousaria confessar a mais ninguém!

Sentiu prazer como nunca tinha sentido e aquele lobo nos seus sonhos não era um lobo mas um belo homem de olhos amarelos e corpo torneado, mão fortes, sexo rijo, língua meiga...

Quando acordou o lobo já lá não estava e ficou a pensar:

Terá sido do brandy, ou foi apenas uma partida da imaginação?!

Subiu para se vestir e quando enfiava a camisola reparou que tinha vários arranhões nas costas....

Desceu, arranjou uma caneca de café e veio até cá fora. O que viu deixou-a pasmada!

Em frente há cabana estavam vários lobos e ao fundo um grande lobo negro, olharam para ela uivaram baixinho e afastaram-se seguindo o grande lobo negro que coxeava!



Cicuta






Beijo Doce e até para o Ano

publicado por Cicuta às 16:14
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Quinta-feira, 22 de Dezembro de 2005

Festividades....

natalina.bmp


Tudo de bom para todos!

E mais não sei!

Eu já nem me atrevo nem a pensar quanto mais a escrever...


De qualquer modo:

Fodam muito!

Amem mais! presente.bmp

Sejam Marido e Mulher!

Mas sejam principalmente Amantes!

Inventem muito!

E vivam todos os dias como se fosse o último!!!!!



Beijo doce






Cicuta

publicado por Cicuta às 21:29
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Quarta-feira, 14 de Dezembro de 2005

Anjos Mulheres - VI

mulheranjo.jpg anjo.jpg



As mulheres voam
como os anjos:
Com as suas asas feitas
de cristal de rocha da memória

Disponíveis
para voar

soltas...

Primeiro
lentamente: uma por uma

Depois,
iguais aos passaros

fundas...

Nadando,
juntas

Secreta: a rasar o
chão

a rasar a fenda
da lua

no menstruo:
por entre a fenda das pernas

Às vezes é o aço
que se prende
na luz

A dobrarmos o espaço?

Bruxas:
pomos asas em vassouras
de vento

E voamos

Como as asas
lhe cresciam nas coxas

diziam dela:
que era um anjo do mar

Rondo alto,
postas em nudez de ombros
e pernas

perseguindo,

pelos espaços,
lunares
da menstruação

e corpo desavindo

Não somos violencia
mas o voo

quando nadamos
de costas pelo vento

até à foz do tempo
no oceano denso
da nossa própria voz

Sabemos distinguir
a dormir
os anjos das rosas voadoras

pelo tacto?

Somos os anjos
do destino

com a alma
pelo avesso
do útero

Voamos a lua
menstruadas

Os homens gritam:
– são as bruxas

As mulheres pensam:
– são os anjos

As crianças dizem:
– são as fadas

Fadas?

filigrama cintilante
de asas volteando
no fundo da vagina

Nadamos?

De costas,
no espaço deste século

Mudar o rumo
e as pernas mais ao
fundo

portas por trás
dobradas pelos rins

Abrindo o ar
com o corpo num só golpe

Soltas,
viando
até chegar ao fim

Dizem-nos:
que nos limitemos ao espaço

Mas nós voamos
também
debaixo de água

Nós somos os anjos
deste tempo

Astronautas,
voando na memória
nas galáxias do vento...

Temos um pacto
com aquilo que
voa

– as aves
da poesia

– os anjos
do sexo

– o orgasmo
dos sonhos

Não há nada
que a nossa voz não abra

Nós somos as bruxas da palavra






Maria Teresa Horta

publicado por Cicuta às 11:06
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Terça-feira, 6 de Dezembro de 2005

Receita

receita.jpg


Misture um pouco de loucura, um pouco de amor e uma pitada de despudor...

Junte dois corpos seminus e que se encaixem na perfeição.

Pegue nos 5 Sentidos e na imaginação, junte tudo num espaço diferente e vá mexendo primeiro devagar com movimentos circulares e ritmados.

Com calma vá cheirado e lambendo, parando aqui e acoli, tendo especial atenção para certas zonas....

Pode misturar um pouco de vodka ou outra bebida e temperos variados...

Quando começar a "borbulhar", abrande o lume sem deixar de ir mexendo, envolvendo...

Demore o tempo que puder, quanto mais melhor, deixe apurar...

Levante o lume dê uns últimos retoques no tempero e deixe levantar fervura...e vir por fora!






Cicuta

publicado por Cicuta às 17:01
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Domingo, 4 de Dezembro de 2005

Trilhos...

trilhos.jpg


Chove!

Chove a cantaros... “it’s raining cats and dogs”!

Tudo me vem ao pensamento!

Eu quero estar nua, no meio do campo!

Com relâmpagos e trovões!

E Tu és o tal que te arriscas por mim....

Vens de mansinho por entre a tempestade, dás-me a mão, um beijo!

Penetras-me devagar...criamos um elo, uma corrente!

Eu mexo-me com violência e tu reages entras em mim sem piedade!

Tudo aquilo é amor, dor, tesão fundir de corpos.... foder de almas!

O teu “ser” quente vem devagar para mim para terminar numa explosão quase “vulcânica”...

Somos como dois elos de corrente, mas não da mesma!

Separados, mas lado a lado, unidos, mas não juntos.....

Temos breves “cruzamentos de linhas” em que nos sobrepomos e por momentos somos um só, por breves segundos temos o mesmo rumo....






Cicuta

publicado por Cicuta às 00:25
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|

*mais sobre mim


* ver perfil

* seguir perfil

. 5 seguidores

*pesquisar

 

*tradutor / tranlater

*posts recentes

* A noite

* Depois dos 50...

* A melodia do desejo…

* Lingerie para Sereias & n...

* Asfixia

* Oração das Mulheres Resol...

* Eternos

* O Primeiro Amor

* Voltar a trás...

* Sonhos?!

*arquivos

* Agosto 2013

* Maio 2011

* Abril 2011

* Agosto 2010

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2006

* Março 2006

* Fevereiro 2006

* Janeiro 2006

* Dezembro 2005

* Novembro 2005

* Outubro 2005

* Setembro 2005

* Agosto 2005

* Julho 2005

* Junho 2005

* Maio 2005

* Abril 2005

* Março 2005

* Fevereiro 2005

*tags

* todas as tags

*favoritos

* nem cornos, nem sacanas

*links

* Martini in the Morning

*Envenenados:


Contador Grátis

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.
SAPO Blogs

*subscrever feeds