Sexta-feira, 6 de Maio de 2011

A melodia do desejo…

Este texto foi-me gentilmente cedido para publicar aqui no meio deste pequeno Diário de Venenos, acho que ele só vem enaltecer este meu humilde  blogue no qual, não tenho quaisquer pretensões de escritora, poeta, ou mesmo narradora de estórias. Esta é a diferença entre escrevinhar e escrever, eu escrevinho a Ana escreve!

 

Obrigada Ana pela colaboração

 

 

 

 

imagem:retirada da net

 

 

"Ela sentou-se na esplanada, naquele entardecer ameno. Os pensamentos invadiam-na como intrusos numa já ruidosa festa. Não os quis, estava cansada. Não queria pensar nem sentir, apenas estar. Pediu um martini nos copos largos e baixos em que a bebida, além do sabor, lhe trazia uma mais palpável sensação de glamour, e recostou-se a observar o entorno. As conversas, sussurradas, traziam-lhe à memória antigos filmes de espionagem; todos os sons estavam abafados, dispersos, difusos e apenas entendeu o porquê quando, límpido e destacado, o divino som de um piano lhe invadiu os sentidos… a pele arrepiou-se-lhe e assim permaneceu… Sentiu-se a deslizar no sentido daquele som, atraída por alguma misteriosa força a que não podia nem queria resistir.


Subiu as escadas estreitas a que a entreaberta porta junto à esplanada dava acesso. Não sabia para onde ia, apenas que tinha que ir. Rumou ao desconhecido, subindo com a firmeza segura de quem não tem qualquer dúvida. Pé ante pé chegou ao topo das escadas, e a um salão de altas e estreitas janelas e chão de madeira rangente. Ao centro um piano e ao piano um homem. Um homem normal, mas sublime na sua comunhão com o som. Um homem normal mas infinitamente belo pela emoção do seu sentir. O homem era homem e melodia; o corpo prolongava-se em som; a alma em exultação. Tocava de tronco nu, descalço, ligado ao divino por algum invisível fio…


Ela ficou estática, no pavor de quebrar aquela oração. A respiração ficou-lhe suspensa enquanto cristalizava o momento para toda a sua eternidade. Ele olhou-a sem surpresa, todo entrega. Olhou-a mais fundo do que jamais alguém a ousara olhar, enquando os dedos continuavam a percorrer, velozes, o palco da melodia. E então ela avançou. Nada a poderia parar. Sentou-se a seu lado, abraçando-o num aperto forte, desesperado. Inspirou do seu pescoço aquele odor puro e forte e sentiu-o tremer sob as suas carícias… a música num crescendo convicto a acompanhar a escalada da emoção e do reduto do prazer.


Ao sabor da melodia, a mão dela agarrou-lhe no sexo como se o segurasse inteiro: corpo, alma e coração… Balançou-o numa cadência ritmada que o levou à momentânea loucura, fazendo-o acreditar que se parasse morreria… E os dedos dele continuavam a amá-la com música… com som. E ela tremeu, também, com o prazer recebido do prazer que estava a dar, até chegarem por fim juntos à apoteose final, cerrada no prolongado arrepio de um momentâneo silêncio.


E quando ele, refeito e livre, a tomou finalmente nos braços e a invadiu por inteiro, o som do piano abandonado continuou a soprar-lhes a melodia do desejo…"

 

 

 

Ana Dias

 

 

 

 

Espero que tenham gostado tanto como eu.

 

Beijo envenenado

 

 

Cicuta


publicado por Cicuta às 19:20
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 20 de Abril de 2011

Asfixia

 

 

imagem: retirada da net

 

 

 

 

O quarto era grande e nu!

 

 

 

As paredes lisas e escuras, iluminadas por velas, milhares de velas!

 

 

Panos caiam do tecto, longos e esvoaçantes pelo mesmo vento que fazia treme-luzir as velas!

 

 

A cama no centro estava coberta de veludo negro!

 

 

Eles estavam nus com écharpes encarnadas em roda do pescoço!

 

 

Beberam o suficiente para se entregarem naquela aventura!

 

 

Podia ser a última!

 

 

Encaixaram-se um no outro, o sexo dele penetrou o dela!

 

 

Começaram-se a mover e cada um pegou o controle da fita do outro, o tecido encarnado enrolava-se nos mãos de um e de outro como se de serpentes se tratasse, os espaço entre eles diminuía....

 

 

 

Ele apertava a dela!

 

 

Ela apertava a dele!

 

 

Conforme o orgasmo se ia aproximando eles apertavam mais, e mais a tentar controlar o orgasmo simultâneo mas a tentar domar  a falta de ar que se vinha apoderando deles...

 

 

E com ela o prazer!

 

 

Eles puxaram, até os rostos ficarem diferentes, os olhos abriram-se mais, as bocas fizeram um esgar...

 

 

 

Eles vieram-se, eles viram-se com outros olhos, eles viram o medo e sentiram o prazer... Largaram as fitas, gemeram e sugaram o ar em volta como se aquele fosse o único oxigénio do Mundo, os seus corpos transpirados, palpitavam, beijaram-se, morderam-se, arranharam-se, mais uma vez foram um único Ser....

 

 

Mais uma vez eles pararam a tempo!

 

 

Eles gozaram muito!!!!

 

 

No Amor e no Prazer vale TUDO!

 

 

Mas este jogo é um jogo perigoso, nem sempre se ganha e eles sabem disso...

 

 

 

 

 

 

 

 imagem: retirada da net

 

 

 

Beijo doce

 

Cicuta


publicado por Cicuta às 18:13
link do post | comentar | favorito
|

*mais sobre mim

*pesquisar

 

*tradutor / tranlater

*posts recentes

* A melodia do desejo…

* Asfixia

*arquivos

* Agosto 2013

* Maio 2011

* Abril 2011

* Agosto 2010

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2006

* Março 2006

* Fevereiro 2006

* Janeiro 2006

* Dezembro 2005

* Novembro 2005

* Outubro 2005

* Setembro 2005

* Agosto 2005

* Julho 2005

* Junho 2005

* Maio 2005

* Abril 2005

* Março 2005

* Fevereiro 2005

*tags

* todas as tags

*favoritos

* nem cornos, nem sacanas

*links

* Martini in the Morning

*Envenenados:


Contador Grátis

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.
blogs SAPO

*subscrever feeds